13.4.13

Las primeras rosas de abril



Não há mal que sempre dure
Nem há quem o já não saiba
O que há pouco é quem julgue
Que o bem também se acaba
Se é perdido o bem que fora
Fim do mal que magoava
É já hora de outro mal
Se acabar se começava
Não têm uma hora certa
Mas quando se começam a juntar
Os Males do Mundo
É quando o bem se interessa
E encontra uma porta aberta, num lugar
Que era bem escuro
Está-se bem, deixando o mal
E ao mal sucede o bem
Quem tem mais sorte afinal
É quem mais lembranças tem
Não têm uma hora certa
Mas quando se começam a juntar
Os Males do Mundo
É quando o bem se interessa
E encontra uma porta aberta, num lugar
Que era bem escuro

Os males do mundo, Pedro Ayres Magalhães (Madredeus)

No hay comentarios:

Publicar un comentario